terça-feira, 24 de maio de 2005

“Nosso problema é desejar demais”

Primeiramente, quero pedir desculpas por ter deixado este blog sem atualização por tanto tempo. Obrigado para todos os que o visitaram nesta entressafra. Bem, mas vamos ao que interessa...

Hoje é dia de reflexão. Para quem não sabe, estou viajando. Não estou em Goiânia. Estou passando esta “semana de saco cheio” na casa dos meus pais em Pires do Rio. Como sempre acontece quando tenho muito tempo para pensar, estou refletindo sobre os últimos acontecimentos da minha vida.

Primeiro pensei em como minha vida mudou desde que me mudei daqui para morar sozinho. Tantas mudanças, tantos sonhos a realizar. Tantos medos. Mas eu já consegui derrubar muitos obstáculos. Cheguei lá. Estou quase terminando meu curso. Só que um novo e desconhecidissímo horizonte se desenha na minha frente...

Outro dia desses estava triste porque briguei com uma pessoa querida. Fiquei chateado e aborrecido. Cabeça fria, parei para pensar: tenho tudo quero e que sempre desejei e nem me dou conta disso. Não tenho que ficar querendo que tudo saia como o planejado. Como diz um sábio (de quem não me lembro o nome no momento) “o nosso problema é desejar demais e, mesmo depois que conseguimos o que desejávamos, desejamos não perde-lo”. Decidi parar de me esquentar com muitas coisas.

Tenho a síndrome do perfeito – quero ser bom na faculdade, no trabalho, nas amizades, no amor. Em tudo. O problema é que se fosse perfeito já teria tomado lugar de Deus. Conclui: o que precisamos é cair na real, correr atrás do que é possível, ser competentes, beijar na boca e ser feliz. Pra que mais? Os caminhos podem ser tortuosos, mas fáceis se soubermos percorrê-los da maneira mais calma possível.

Ainda hoje estava vendo um programa jornalístico gravado e vi uma menininha negra, de mais ou menos sete anos de idade, que trabalhava em uma construção, como um jeito muito humilde, chorando. A repórter pergunta: “O que você queria Maísa?” A menina derrama uma lágrima: “Só estudar...” Por que a gente quer tanto se para ser feliz, às vezes, é preciso tão pouco?

5 comentários:

Rodrigo disse...

ERRATA - Estou tendo problemas com o blogger para corrigir uns errinhos neste post já publicado. No 2º parágrafo, 4ª frase o certo é "na casa dos meus pais em Pires do Rio". Desculpem, quando der corrijo.

Eduardo Sartorato disse...

Pois é, Rodrigão, tem coisas na vida que a gente só dá valor quando para pra pensar. Nós somos pessoas de muita sorte, por poder fazer um curso superior, poder sair de vez em quando, fazer compras em shoppings(mesmo que seja pouquinho e tudo parcelado, ehehehehe), e etc.... Perfeccionismo é foda. Isso leva a depressão. Não podemos querer que as coisas sejam perfeitas. Mas tb não podemos ficar no comodismo. Esta coisa de querer sempre mais é importante, desde que seja medido e nunca torne uma obsessão. No mais, seja tranquilo.... Não leve a vida muito a sério.... Você não vai sair vivo dela mesmo.... ehehehehehe!!

abração

Ana Caroll disse...

Rodrigo seu post de hj me fez pensar num milhão de coisas. Você tem toda razão. Sabe apenas quando entrei na facomb aprendi o significado de ser plenamente feliz! Realizar um sonho é o segredo. Seja estudando, comprando uma calça jeans, ou seja lá o que for seu sonho.

Lorena Verli disse...

Poxa, cara, você me fez pensar. Mó profundo seu post. Mas eu gostei muito. Foi tudo uma maravilha lá no Rio, depois visita meu blogger que com certeza já vai ter um post por lá.

Erikita disse...

É engraçado como a gente é tão parecido! Vc sabe que eu sofro das mesmas crises existenciais que vc, por isso me identifiquei tanto com esse post! Só acho engraçado que, apesar de sermos praticamente iguais (até fisicamente!!!), a gente nunca consegue entrar num acordo...hehehe. Mas a gente se merece, né? Beijitos e já estou com saudade de vc (vou sentar ali e esperar isso passar..hehehe).