terça-feira, 21 de julho de 2009

Das ausências

Tento não julgar ninguém, para não ser julgado. Um dos ditos que mais aprecio é "não sente em cima do seu rabo para falar sobre o dos outros". Mas não me venham justificar ausência com falta de tempo ou dinheiro.

Conheço quem está do outro lado do mundo e se mantém presente. E conheço quem está ao meu lado e ainda assim está mais ausente que nunca.

As pessoas têm de se dar conta que a vida, embora imprevisível, tem sempre os contornos que damos a ela. Por isso, odeio quando as pessoas simplesmente não assumem que estão ausentes e querem inventar mil desculpas.

Talvez que não assumam porque, no fundo, têm vergonha de dizer que são preguiçosas, ficaram presunçosas demais ou porque consideram que realmente não estão mais na mesma sintonia que você.

Falta-nos um pouco mais de honestidade.

8 comentários:

Aline Leonardo disse...

Tive de perder gente muito importante Rodrigo pra aprender a fazer questão das pessoas. Hoje faço questão de estar presente, mesmo respeitando os meus limites.
Abraços

Lian Tai disse...

Eu concordo com você, Rodrigo!! Ahhh, e acho ótimo você e a Érika serem estarem presentes quando vou a Goiânia!! Mas bem que vocês também podiam estar presentes aqui no Rio, né? ;)

Ana Carolina disse...

Oi, Rodrigo
Acabei de dizer que sinto sempre saudades de você e da Érika. Só de não ter visto vocês no sábado e hoje estou morta de saudades. Exageradaaaaaaa.
Vocês já me conhecem. Concordo, falta muita honestidade em todos nós. É díficil admitir, mas dentro das minhas limitações tento estar presente.

Helen Fernanda disse...

Me falta tempo e dinheiro para muita coisa, mas para o que quero de verdade, sempre dou um jeito! =)

Eduardo Sartorato disse...

Amizades ou qualquer outro tipo de relacionamento é igual a uma planta: se voce não a rega de tempos em tempos, ela morre. E a melhor coisa para matar algo é a preguiça ou a presunção, como voce bem escreveu (muito bem por sinal). Enfim, vamos vivendo, cuidando das plantas que querem ser cuidadas e esquecendo das demais. Abração velho!!

Maria Cristina disse...

eu to ausente,mas na outra semana eu volto! kkk ah, não se faz ausente com o Renato não, tadinho, tá largado aí (bom, eu acho, kkk)
Mas que desabafo hein?!

bjão

rogerioborges disse...

Rodrigo, meu penúltimo post falava exatamente da mesma coisa.
O duro é saber equilibrar-se nesta corda bamba. Saber a hora em que você está ausente de quem quer ou merece de fato sua companhia e saber identificar quando alguém já não a deseja, mas você ainda incorre no erro de impor sua presença.
No primeiro caso, você pode ser negligente com quem não merece.
No segundo caso, pode ficar deprimido por se sentir rejeitado.
Êta vidinha complicada, né não?
Abraço

Valbene Bezerra disse...

Rodrigo, essa máxima "não julgueis para não serdes julgados" está na Bíblia. Compete a Deus, e somente a Ele, julgar os seus filhos. Defeitos todos nós temos. Aquilo q. condenamos nos outros, podemos (quem sabe), logo em seguida, ver em alguém q. nos é querido. Cada um vive como quer. Continue assim.
Bjs
Valbene